Tribunal de Contas concedeu visto ao seguro de saúde dos trabalhadores da ANACOM

Logotipo do SindetelcoPassado mais de um ano, os trabalhadores da ANACOM vêem finalmente reposto o seguro de saúde que tinham desde 1992.

Em novembro de 2015 os trabalhadores da ANACOM foram confrontados com a perda do seu seguro de saúde.

Ao longo deste tempo, o SINDETELCO fez o que era esperado. Durante este período reunimos com os trabalhadores, com advogados, com os grupos parlamentares representados na Assembleia da República e  com a Secretaria de Estado das Infraestruturas, tentando saber mais e usar a influência dos nossos argumentos para que o seguro de saúde fosse reposto aos nossos associados.

Com a Lei do Orçamento de Estado de 2017, as entidades públicas que tenham trabalhadores a quem se aplique o regime do contrato individual de trabalho, como é o caso da ANACOM,  voltaram a poder contratar seguros de doença e de acidentes pessoais, desde que destinados à generalidade dos trabalhadores, bem como outros seguros obrigatórios por lei ou previstos em instrumento de regulamentação coletiva do trabalho.

Só que isto não foi suficiente para devolver o seguro de saúde nas condições anteriores. Para poder repor este seguro de saúde, a ANACOM teve ainda de submeter a proposta de aquisição ao Tribunal de Contas (TdC).

Ontem, o Conselho de Administração da ANACOM informou os trabalhadores que o TdC deliberou conceder o visto que permite a devolução do seguro de saúde que lhes era devido.

Agradecemos a todos os trabalhadores que durante este tempo mantiveram a confiança nos seus representantes do SINDETELCO, percebendo a importância de sermos mais e a necessidade de nos mantermos unidos.

Só com este apoio o SINDETELCO conseguiu executar as tarefas necessárias e que permitiram à ANACOM obter do TdC o visto para o seguro de saúde.

MEO – Trabalhadores sem funções colocados na USP

Existem centenas de trabalhadores sem funções, espalhados por todo o país, com a perspectiva de o número vir a aumentar, o qual não tem aumentado tanto porque uns quantos  trabalhadores não aguentam a pressão de estar sem funções e acabam por aceitar sair da PT, alguns por sua iniciativa e outros por pressão/convite da DRH.

As ERTs reunidas decidiram criar um grupo de trabalho para acompanhar esta temática e outras, que serão abordadas na Comissão Parlamentar do Trabalho. Foi aprovado em Plenário da AR com todos os partidos políticos a disponibilidade para nos receberem através da Comissão do Trabalho na Assembleia da República, onde o tema será unicamente a PT, antes e depois da venda à Altice.

Torna-se urgente e necessário avançar para um ambiente de Trabalho saudável, tornando a PT Portugal numa empresa onde os Trabalhadores se sintam bem e tenham orgulho em fazerem parte dela.

Ver o comunicado na íntegra

Declarações IRS 2016 PT ACS

O SINDETELCO esteve hoje presente na reunião da Comissão de Acompanhamento da PT ACS.

Nesta reunião fomos informados que a Diretora da PT-ACS, Dra. Isabel Carreira, foi substituída pela Dra. Catarina Roseta e que a responsável pela Multicare passou a ser a Dra. Carla Duarte.

A empresa informou-nos que este ano a PT-ACS não irá enviar declarações de IRS em papel.

Segundo a PT ACS os valores foram já declarados em sede de IRS, estando as declarações disponíveis no portal do beneficiário da PT-ACS para quem as quiser imprimir.

Ficou no entanto salvaguardado que, a pedido, os utentes podem requisitar o envio das declarações em papel.

Para mais informações podem contactar o Sindicato ou a PT ACS, através dos canais habituais.

 

 

MEO – PONTO DE SITUAÇÃO

O SINDETELCO tem insistentemente manifestado junto da Empresa as suas preocupações relativas a:

  • Degradação de equipamentos, infraestruturas e edifícios decorrentes da falta de manutenção;
  • Trabalhadores a serem colocados no desempenho de funções fora da sua área de competência, sem formação adequada;
  • Diminuição do quadro retributivo em benefícios declarados em sede de IRS;
  • Sobrecarga de trabalho em tarefas que devendo ser efetuadas por mais de um trabalhador, estão a ser efetuadas apenas por um, implicando situações de risco;
  • Modelo de avaliação de desempenho que continua a ser altamente subjetivo e penalizador para os trabalhadores, gerando situações discricionárias de enorme injustiça.

Perante tudo isto o SINDETELCO tem já reuniões solicitadas com a Comissão Executiva e o Presidente da PT-MEO no sentido de poder analisar o futuro da Empresa e as condições do trabalho prestado pelos seus trabalhadores, nomeadamente no que se refere à estabilidade do emprego e da empregabilidade do Grupo PT.

Ver o comunicado na íntegra

ATUALIZAÇÃO SALARIAL CTT 2017

O SINDETELCO entregou à Empresa, no passado dia 30 de Janeiro, a sua PROPOSTA DE ATUALIZAÇÃO SALARIAL para todos trabalhadores dos CTT em 2017, com retroativos a 1 de Janeiro e assente nos seguintes aumentos:

Tabela Salarial = 3% de aumento
Diuturnidades = 4% de aumento
Subsídio de refeição = 3% de aumento

O SINDETELCO, como tem sucedido ao longo dos anos, mantém uma postura de responsabilidade em todos os processos negociais, na defesa intransigente de atualizações salariais que garantam paralelamente o aumento do poder de compra e a melhoria das condições de vida e de trabalho dos trabalhadores e a viabilidade e expansão das empresas, devendo assim ter em linha de conta a inflação, a produtividade e a situação específica da empresa ou sector, e atendendo igualmente ao contexto económico.

No que respeita aos Correios de Portugal, é de elementar justiça, reconhecer o aumento de produtividade, o esforço e a dedicação dos trabalhadores dos CTT que contribuíram para os resultados económicos do exercício do ano de 2016, conforme as previsões indicam.

Ver o comunicado na íntegra

NEGOCIAÇÃO SALARIAL STEF PORTUGAL

Com o diálogo anual que tivemos com a administração, a mesma comprometeu-se em ir ao encontro dos trabalhadores em algumas matérias relevantes como o aumento do salário mínimo da empresa, a retirada do banco de horas por tempo indeterminado, a diminuição do tempo contratual dos trabalhadores colocados por empresas de trabalho temporário antes de assinarem contrato com a STEF, e um aumento salarial superior ao que existiu no ano passado.

Contudo em algumas matérias consideramos que a empresa poderia ser mais ambiciosa e justa com os trabalhadores, nomeadamente colocando um aumento mínimo de 13 euros para todos os trabalhadores.

2017 será exigente como o foram todos os anos anteriores. A verdade é que os trabalhadores corresponderam sempre com o seu melhor, sem que tivessem tido em contrapartida um aumento salarial justo. Temos uma missão difícil mas não impossível de negociar com a empresa o que é imprescindível: formação de 35 horas anuais para todos os trabalhadores conforme estipulado na lei, melhorar o Seguro de Saúde, aumentar o subsídio de frio e estabelecer tabelas salariais consoante os anos de antiguidade.

Ver o comunicado na íntegra

NAVIGATOR – NEGOCIAÇÕES SALARIAIS 2017

Já se iniciaram as negociações para discutir as propostas de melhoria das condições socioeconómicas dos trabalhadores das várias empresas do Grupo Navigator em 2017.

Á semelhança de anos anteriores, o Secretariado Nacional do SINDETELCO apresentou uma proposta no caminho da convergência contratual entre todos os trabalhadores do grupo. Para nós não há trabalhadores de primeira ou de segunda. Todos contribuem por igual para os bons resultados obtidos.

O previsível aumento da inflação em Portugal e na Europa, assim como os resultados do grupo, implicam uma atualização salarial em 2017 e a melhoria do subsídio de alimentação.

A equipa negocial do SINDETELCO/FETESE defenderá a proposta apresentada até ao fim, porque a consideramos ajustada face aos resultados da empresa e porque promove a coesão entre trabalhadores.

 Ver o comunicado na íntegra

VAMOS ATÉ ONDE FOR PRECISO!

No seguimento da reunião da reunião de 20 de dezembro com a Manpower Group Solutions (MGS), o SINDETELCO ficou com a incumbência de apresentar junto da MEO assuntos cuja responsabilidade lhe é atribuída no âmbito da Saúde e Higiene no Trabalho.

Estamos perante um caso centrado num local de trabalho específico, Tenente Valadim/Porto, mas as condições de trabalho nos Call Centers e Lojas, onde as empresas de trabalho temporário são prestadoras de serviços, precisam de ter a mesma atenção.

Nesta reunião, a empresa realçou a forma proactiva como o SINDETELCO está a abordar esta matéria, mostrando-se recetiva e disponível para, em conjunto, procurar soluções e resolução de todas as situações.

Estamos determinados na resolução dos problemas, sempre pela via do Diálogo, sem acarretar prejuízos financeiros aos trabalhadores.

Ver o comunicado na íntegra

 

MEO – AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 2016

Teve início no dia 9 de janeiro a Avaliação de Desempenho Individual relativa a 2016.

Os trabalhadores estão:

  • Apreensivos com o clima de insegurança laboral que se vive na Empresa.
  • Desmotivados pela impossibilidade de ter uma carreira estável  na qual possam progredir.

Fragilidades desta avaliação:

  • A avaliação só acontece num sentido e não possibilita avaliação mútua (avaliação 360).
  • Falta de credibilidade do processo de avaliação, nomeadamente quanto ao tratamento das reclamações apresentadas pelos trabalhadores.

Neste sentido, o SINDETELCO alerta todos os trabalhadores para que façam a sua autoavaliação para que, na altura da sua avaliação e reunião de feedback, saibam, caso necessário, fundamentar sua contestação, e se for o caso, como recurso, podem e devem sempre dirigir-se ao SINDETELCO.

Ver o comunicado na íntegra

FORMAÇÃO SINDETELCO 2017

O Secretarcomunicado2-formacao-cefosaiado Nacional do SINDETELCO continua a apostar na Formação Sindical, seja ela profissional ou modular. Os trabalhadores devem investir na sua formação para se adaptarem aos novos sistemas de organização do trabalho, cada vez mais flexíveis.

Têm também a virtude de completar as insuficiências de formação inicial de jovens recém-contratados, para além de promover a qualificação dos trabalhadores, atualizando os seus conhecimentos, de forma a poderem acompanhar a evolução tecnológica e garantirem para si maior empregabilidade.

Subsídios dos Formandos

Subsídio de refeição de montante igual ao valor definido para os trabalhadores que exercem funções públicas nos dias em que o período de formação seja igual ou superior a 3 horas. O pagamento deste apoio social ocorre no final do mês seguinte ao do términus da ação de formação.

Para o corrente ano, o SINDETELCO oferece UFCD – Unidades de Formação de Curta Duração dos seguintes referenciais de Formação:

  • Técnico de Relações Laborais – nível 4
  • Técnico Administrativo(a) – nível 4
  • Técnico de Secretariado(a) – nível 4
  • Técnico de Vendas – nível 4
  • Informática – nível 2 e nível 4

 Condições de acesso Às ações de formação

  • Destinatários: Ativos empregados e desempregados (habilitações iguais ou superiores ao 12º ano) com mais de 18 anos;
  • Constituição dos grupos formativos: Mínimo de 18 participantes e máximo de 30 participantes;
  • Ações de nível IV: destinadas a ativos empregados com escolaridade igual ou superior ao 9º ano.
  • Ações de Nível II: destinadas a ativos empregados com escolaridade inferior ao 9º ano.

Ver o comunicado na íntegra

ANACOM – ALTERAÇÃO DA LEI-QUADRO DAS ENTIDADES REGULADORAS INDEPENDENTES

comunicado1-anacom-mfm Em reação às notícias de fevereiro de 2016 que relatavam um aumento médio de “mais de 150%” nos salários dos membros do Conselho de Administração da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC), os partidos políticos, através dos seus grupos parlamentares na Assembleia da República (AR), decidiram discutir a justiça destes aumentos, incluindo nessa discussão as remunerações dos gestores das Entidades Reguladoras Independentes (ERI).

Para esse efeito, os grupos parlamentares Bloco de Esquerda (BE), Centro Democrático Social – Partido Popular (CDS-PP) e “Os Verdes” produziram para isso os Projetos de Lei (PL) 179/XIII/1ª, 279/XIII/1ª e 299/XIII/2ª, de alteração da Lei-quadro das Entidades Reguladoras Independentes (LQER).

Analisados os Projetos de Lei propostos, enviámos à comissão parlamentar competente o parecer anexo do SINDETELCO, onde expomos as implicações para os trabalhadores sobre as matérias em discussão e a posição que defendemos no interesse de todos os trabalhadores.

Por princípio, a política de plafonamento de vencimentos não é defensável por uma associação de representação de interesse dos trabalhadores. O princípio será sempre defender uma política salarial em que os trabalhadores possam ver a sua situação salarial progredir e não a limitação dos salários a um teto máximo, conforme propõem dos Projetos de Lei em análise.

O SINDETELCO vai continuar atento às iniciativas legislativas na Assembleia da República, sempre na defesa dos interesses dos trabalhadores em geral e dos nossos associados em particular.

Ver o comunicado na íntegra

Reunião com a Manpower

No seguimentocomunicado31-manpower da nossa reunião de 20 de dezembro 2016, com os presentes, coordenador geral da Manpower Cândido Ferreira, coordenadores, Luís Ferreira, Hélder Rodrigues e Rui Castro, dirigente sindical José Rodrigues, José Cunha e delegados sindicais Catarina Bravo e Joana Gonçalves foram tratados os seguintes assuntos dos quais damos conhecimento aos nossos associados:

Resolução e confirmação da proposta de escalas para o natal, 24 e 25, e para o ano novo, 31 e 1
A ManpowerGroup Solutions (MGS), aceita e saúda a forma proactiva com o Sindetelco abordou este tema, reiterando, que o sucesso desta iniciativa poderá determinar a aplicação deste modelo colaborativo para ações futuras, nomeadamente gestão dos feriados e marcação de férias de 2017.

Ver o comunicado na íntegra