Audição das ERCT da PT/MEO na Assembleia da República

DEFESA DE TRABALHO COM DIREITOS E OCUPAÇÃO EFECTIVA DOS TRABALHADORES DA PT/MEO FORAM AS NOSSAS MAIORES PREOCUPAÇÕES

Realizou-se no passado dia 12 pelas 10 horas na Assembleia da República a Audição das ERCT da PT no seguimento dum pedido nosso e de um requerimento do GP do PCP.

As ERCT fizeram o enquadramento da situação laboral existente, em defesa dos postos de trabalho e do trabalho com direitos, lembrando o clima laboral muito tenso que se vive no dia-a-dia na empresa. Falou-se da situação dos trabalhadores sem funções. Não foi esquecida a importância da PT/MEO no tecido empresarial e na economia nacional, na inovação e na exigência dos clientes de uma grande qualidade de serviço.

Foi questionada, pelas ERCT, a atitude passiva e displicente da ACT (Autoridade para as Condições de Trabalho) face às inúmeras denúncias de inatividade forçada de muitos trabalhadores (cerca de 250) e pelo facto de esta apenas atuar de forma pedagógica perante a PT/MEO e não como entidade que zele pelas condições dignas de trabalho, exigindo o cumprimento integral da legislação laboral em relação ao respeito pelos direitos dos trabalhadores.

Salientámos por fim que, desde a OPA da SONAE, e posteriormente com o fim da Golden Share os trabalhadores têm vivido vários “desastres” dentro da PT em Portugal, dos quais não podem ser culpados e que apesar de, neste momento, estarmos perante uma luta do “anão contra o gigante”, tudo faremos, utilizando todos os meios disponíveis, para que os trabalhadores não saiam prejudicados com as constantes mudanças na PT em Portugal.

Pela nossa parte, vamos continuar a exigir trabalho com direitos e ocupação efetiva de todos os trabalhadores da PT/MEO.

Ver o comunicado na íntegra

Tabela Salarial CTT 2017

O SINDETELCO reuniu hoje, dia 4 de Abril, com a Empresa, naquela que foi a primeira reunião de negociação da Tabela Salarial para o ano de 2017.

Tivémos oportunidade de reforçar a proposta apresentada pelo SINDETELCO:

  • Tabela Salarial = 3% de aumento
  • Diuturnidades = 4% de aumento
  • Subsídio de refeição = 3% de aumento

Aumento mínimo na Tabela Salarial = 25€

A Empresa apresentou a sua contraproposta de aumentos escalonados de 0,2%, 0,3%, e 0,4%. Fundamentou a sua proposta tendo como base os resultados obtidos em 2016.

O SINDETELCO considera que esta proposta da empresa é irrealista, todavia estamos em crer que, com o desenrolar do processo negocial, haja uma aproximação entre as propostas do SINDETELCO e da Empresa.

Esta primeira reunião serviu essencialmente para acertar o calendário negocial. A próxima reunião negocial realiza-se no próximo dia 26 de Abril de 2017.

Foi reafirmado o compromisso por parte da empresa de que os aumentos salariais que resultarem da negociação terão retroativos com efeitos a 1 de Janeiro de 2017.

A IMPORTÂNCIA DO SINDICATO E DE ESTAR SINDICALIZADO

É comum nos dias de hoje ouvirmos um discurso de desvalorização do papel dos Sindicatos na vida pública. Tal facto além de não corresponder à verdade, tem por trás intenções que passam pela desvalorização do valor do trabalho, dos trabalhadores e de quem os representa.

Os Sindicatos surgiram na sociedade pela necessidade de conquistar melhores condições de trabalho e salários mais justos e têm assumido ao longo dos anos um papel primordial na conquista e defesa de direitos para os trabalhadores. Querer desvalorizar o papel dos Sindicatos é querer deliberadamente desvalorizar o trabalho e os trabalhadores. Esta é uma agenda que devemos combater, sob pena de estarmos a caminhar para uma crise profunda nos direitos e valores laborais que tantas décadas demoraram a conquistar.

Estar sindicalizado é um investimento e não um encargo!

Através do SINDETELCO os trabalhadores podem obter aconselhamento jurídico gratuito, informações privilegiadas sobre as suas empresas, integrar processos judiciais conjuntos ou individuais contra a sua entidade empregadora, beneficiar dos programas de ação social que dispomos, beneficiar dos protocolos com empresas que lhes permitem ter descontos em produtos e serviços (por exemplo em universidades, SAMS, BP, unidades hoteleiras, farmácias, etc.). Acresce ainda que no final do ano pode abater as suas quotas sindicais em sede de IRS, ou seja, tem garantido um benefício fiscal por ter descontado para o Sindicato.

O SINDETELCO foi fundado em Abril de 1981. Atuamos nas áreas dos Correios, Telecomunicações, Media e Serviços. Queremos continuar a defender o valor do seu trabalho e os direitos de todos os trabalhadores.

Ver o comunicado na íntegra

SINDETELCO mantêm-se nas negociações para um acordo global na Portucel em 2017

O Secretariado Nacional do SINDETELCO assumiu um compromisso de princípio para o AE da Portucel e demais matérias pecuniárias, a fim de possibilitar a emissão dos recibos do mês de Março com novo valor. Assim, os recibos de vencimento do mês de Março já traduzem a atualização salarial publicada em comunicado da empresa, com retroativos a 1 de Janeiro de 2017, embora faltando ainda a atualização de algumas rubricas.

Para este acordo de princípio foi importante a evolução da posição da empresa no encontro da nossa proposta quanto à criação do fundo de pensões na ATF (About the future); Subsídio para livros e bolsas no ensino superior para os trabalhadores desta empresa do site de Setúbal.

O SINDETELCO cumpriu com a sua palavra e contribuiu para a manutenção da paz social a fim de levar à prática o compromisso assumido. Esperamos uma resposta final da empresa com vista à possibilidade de um acordo global.

Ver o comunicado na íntegra

INTENSIFICADO O DIÁLOGO SOCIAL COM A PT PORTUGAL

No dia 15 de Março, realizou-se uma reunião entre a UNI Sindicato Global, os três sindicatos portugueses, SINTTAV, STPT e SINDETELCO, o CEO da PT Portugal, Eng. Paulo Neves e o CCO Dr. João Zuquete.

A UNI Sindicato Global e os três Sindicatos portugueses, agendaram para esta reunião, a discussão dos seguintes temas:

  • Projecto da Altice para a PT Portugal.
  • Diálogo Social com os Sindicatos.
  • Adaptação à nova realidade empresarial do Código de Conduta de Responsabilidade Social.

A UNI Sindicato Global, os Sindicatos portugueses e o Presidente da PT Portugal, todos confirmaram o seu grande empenho no diálogo e nas relações laborais construtivas.

A UNI e a PT Portugal, assinaram um Acordo Global em 2006, que vinculava ambas as partes ao pleno respeito de normas laborais reconhecidas, como as Convenções da OIT.

Ver o comunicado na integra

MOÇÃO SOBRE A PT/MEO APROVADA NO XIII CONGRESSO DA UGT

Como é do conhecimento geral decorreu no passado fim-de-semana no Porto, o XIII Congresso da UGT.

O SINDETELCO marcou presença através dos seus delegados e apresentou ao Congresso uma Moção sobre a degradação das condições laborais na PT/MEO, a enorme pressão exercida sobre os trabalhadores, o caso dos trabalhadores sem funções atribuídas e o ambiente laboral adverso e nada motivador que se vive na Empresa.

A Moção  foi aprovada por maioria pelos Congressistas presentes.

Continuaremos atentos ao desenrolar dos acontecimentos na PT/MEO e a fazer de tudo para que a Empresa cumpra o ACT e os trabalhadores da PT possam voltar a ter um trabalho digno nesta Empresa.

Ver o comunicado na íntegra

Notícia Jornal Expresso

“…o Sindicato Democrático dos Trabalhadores dos Correios, Telecomunicações, Media e Serviços alertou para a “situação de permanente intimidação, pressão e chantagem” vivida pelos trabalhadores da PT/Meo, com “mais de 300 trabalhadores transferidos para um departamento sem funções atribuídas”.”

Delegados do SINDETELCO presentes no XIII CONGRESSO DA UGT

Tribunal de Contas concedeu visto ao seguro de saúde dos trabalhadores da ANACOM

Logotipo do SindetelcoPassado mais de um ano, os trabalhadores da ANACOM vêem finalmente reposto o seguro de saúde que tinham desde 1992.

Em novembro de 2015 os trabalhadores da ANACOM foram confrontados com a perda do seu seguro de saúde.

Ao longo deste tempo, o SINDETELCO fez o que era esperado. Durante este período reunimos com os trabalhadores, com advogados, com os grupos parlamentares representados na Assembleia da República e  com a Secretaria de Estado das Infraestruturas, tentando saber mais e usar a influência dos nossos argumentos para que o seguro de saúde fosse reposto aos nossos associados.

Com a Lei do Orçamento de Estado de 2017, as entidades públicas que tenham trabalhadores a quem se aplique o regime do contrato individual de trabalho, como é o caso da ANACOM,  voltaram a poder contratar seguros de doença e de acidentes pessoais, desde que destinados à generalidade dos trabalhadores, bem como outros seguros obrigatórios por lei ou previstos em instrumento de regulamentação coletiva do trabalho.

Só que isto não foi suficiente para devolver o seguro de saúde nas condições anteriores. Para poder repor este seguro de saúde, a ANACOM teve ainda de submeter a proposta de aquisição ao Tribunal de Contas (TdC).

Ontem, o Conselho de Administração da ANACOM informou os trabalhadores que o TdC deliberou conceder o visto que permite a devolução do seguro de saúde que lhes era devido.

Agradecemos a todos os trabalhadores que durante este tempo mantiveram a confiança nos seus representantes do SINDETELCO, percebendo a importância de sermos mais e a necessidade de nos mantermos unidos.

Só com este apoio o SINDETELCO conseguiu executar as tarefas necessárias e que permitiram à ANACOM obter do TdC o visto para o seguro de saúde.

MEO – Trabalhadores sem funções colocados na USP

Existem centenas de trabalhadores sem funções, espalhados por todo o país, com a perspectiva de o número vir a aumentar, o qual não tem aumentado tanto porque uns quantos  trabalhadores não aguentam a pressão de estar sem funções e acabam por aceitar sair da PT, alguns por sua iniciativa e outros por pressão/convite da DRH.

As ERTs reunidas decidiram criar um grupo de trabalho para acompanhar esta temática e outras, que serão abordadas na Comissão Parlamentar do Trabalho. Foi aprovado em Plenário da AR com todos os partidos políticos a disponibilidade para nos receberem através da Comissão do Trabalho na Assembleia da República, onde o tema será unicamente a PT, antes e depois da venda à Altice.

Torna-se urgente e necessário avançar para um ambiente de Trabalho saudável, tornando a PT Portugal numa empresa onde os Trabalhadores se sintam bem e tenham orgulho em fazerem parte dela.

Ver o comunicado na íntegra

Declarações IRS 2016 PT ACS

O SINDETELCO esteve hoje presente na reunião da Comissão de Acompanhamento da PT ACS.

Nesta reunião fomos informados que a Diretora da PT-ACS, Dra. Isabel Carreira, foi substituída pela Dra. Catarina Roseta e que a responsável pela Multicare passou a ser a Dra. Carla Duarte.

A empresa informou-nos que este ano a PT-ACS não irá enviar declarações de IRS em papel.

Segundo a PT ACS os valores foram já declarados em sede de IRS, estando as declarações disponíveis no portal do beneficiário da PT-ACS para quem as quiser imprimir.

Ficou no entanto salvaguardado que, a pedido, os utentes podem requisitar o envio das declarações em papel.

Para mais informações podem contactar o Sindicato ou a PT ACS, através dos canais habituais.

 

 

MEO – PONTO DE SITUAÇÃO

O SINDETELCO tem insistentemente manifestado junto da Empresa as suas preocupações relativas a:

  • Degradação de equipamentos, infraestruturas e edifícios decorrentes da falta de manutenção;
  • Trabalhadores a serem colocados no desempenho de funções fora da sua área de competência, sem formação adequada;
  • Diminuição do quadro retributivo em benefícios declarados em sede de IRS;
  • Sobrecarga de trabalho em tarefas que devendo ser efetuadas por mais de um trabalhador, estão a ser efetuadas apenas por um, implicando situações de risco;
  • Modelo de avaliação de desempenho que continua a ser altamente subjetivo e penalizador para os trabalhadores, gerando situações discricionárias de enorme injustiça.

Perante tudo isto o SINDETELCO tem já reuniões solicitadas com a Comissão Executiva e o Presidente da PT-MEO no sentido de poder analisar o futuro da Empresa e as condições do trabalho prestado pelos seus trabalhadores, nomeadamente no que se refere à estabilidade do emprego e da empregabilidade do Grupo PT.

Ver o comunicado na íntegra

ATUALIZAÇÃO SALARIAL CTT 2017

O SINDETELCO entregou à Empresa, no passado dia 30 de Janeiro, a sua PROPOSTA DE ATUALIZAÇÃO SALARIAL para todos trabalhadores dos CTT em 2017, com retroativos a 1 de Janeiro e assente nos seguintes aumentos:

Tabela Salarial = 3% de aumento
Diuturnidades = 4% de aumento
Subsídio de refeição = 3% de aumento

O SINDETELCO, como tem sucedido ao longo dos anos, mantém uma postura de responsabilidade em todos os processos negociais, na defesa intransigente de atualizações salariais que garantam paralelamente o aumento do poder de compra e a melhoria das condições de vida e de trabalho dos trabalhadores e a viabilidade e expansão das empresas, devendo assim ter em linha de conta a inflação, a produtividade e a situação específica da empresa ou sector, e atendendo igualmente ao contexto económico.

No que respeita aos Correios de Portugal, é de elementar justiça, reconhecer o aumento de produtividade, o esforço e a dedicação dos trabalhadores dos CTT que contribuíram para os resultados económicos do exercício do ano de 2016, conforme as previsões indicam.

Ver o comunicado na íntegra

NEGOCIAÇÃO SALARIAL STEF PORTUGAL

Com o diálogo anual que tivemos com a administração, a mesma comprometeu-se em ir ao encontro dos trabalhadores em algumas matérias relevantes como o aumento do salário mínimo da empresa, a retirada do banco de horas por tempo indeterminado, a diminuição do tempo contratual dos trabalhadores colocados por empresas de trabalho temporário antes de assinarem contrato com a STEF, e um aumento salarial superior ao que existiu no ano passado.

Contudo em algumas matérias consideramos que a empresa poderia ser mais ambiciosa e justa com os trabalhadores, nomeadamente colocando um aumento mínimo de 13 euros para todos os trabalhadores.

2017 será exigente como o foram todos os anos anteriores. A verdade é que os trabalhadores corresponderam sempre com o seu melhor, sem que tivessem tido em contrapartida um aumento salarial justo. Temos uma missão difícil mas não impossível de negociar com a empresa o que é imprescindível: formação de 35 horas anuais para todos os trabalhadores conforme estipulado na lei, melhorar o Seguro de Saúde, aumentar o subsídio de frio e estabelecer tabelas salariais consoante os anos de antiguidade.

Ver o comunicado na íntegra